segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

CARACTERÍSTICAS DO PORTUGUÊS ARCAICO

Nada Disto É Novo: «CARACTERÍSTICAS DO PORTUGUÊS ARCAICO: Os traços característicos que diferenciam o português arcaico do português moderno são os seguintes:

CARACTERÍSTICAS DO PORTUGUÊS ARCAICO


Os traços característicos que diferenciam o português arcaico do português moderno são os seguintes:

FONÉTICA

  • Há grande número de hiatos, devidos à queda de consoante medial sonora, como em aqueecer, beesta, doo, loar, poboo, seer, e com a nasalação da primeira vogal, quando a consoante sincopada e n, como em cẽa, cõelho, lũa, mõesteiro, pẽa, nasalação que posteriormente desapareceu ou fez surgir outro som, como em devĩar, dĩeiro, vĩo, vizĩa, vizĩo (ĩ antes de a e o), que deram devinhar e adivinhar, dinheiro, vinho, vizinha, vizinho.
  • E tónico, seguido de a, o (cãdea, tea, creo, meo), ainda nao se tinha ditongado. Só mais tarde se desenvolveu o i semi-consoante. O mesmo sucedeu com  antes de a, o (avẽa, de avena-chẽo, de plenu-, deram aveia e cheio).
  • Ao contrário do que sucede com as outras línguas românicas, onde se ditongaram, verifica-se em português, já nos mais antigos textos, a persistência do e e do o tónicos latinos: l. ovu-, port. ovo, esp. [cast.] uevo, it. uovo, fr. ant. uef (mod. œuf); l. petra-, port. pedra, esp. piedra, it. pietra, fr. pierre.
  • O o e o a mudos só apareceram na fase moderna da língua (¹). Estes factos e a nasalação das vogais extremas i, u são também características do português que o distinguem das outras línguas românicas.
  • Conserva-se o i final na 1.ª pessoa do singular do pretérito perfeito dos verbos em -er e -ir (pudi, pugi e pusi, soubi, tivi, pidi, sigui, subi).
  • A vogal pretónica, no futuro e no condicional de alguns verbos, como ferir, guarir, morrer, poer, querer, sair, ter, valer, ver, e vir desaparecera, do que resultaram formas como ferrei [por ferirei] e ferria, guarrei e guarria, morrei e morria, porrei e porria, querrei e querria, salrei ou salrrei e salria ou salrria, terrei e terria, valrei ou valrrei e valria ou valrria, verrei e verria, vẽrrei ou verreivẽrria.
  • Terminavam em -om os nomes que hoje terminam em -ão, depois de passarem pela forma em -am (no Canc. Geral, -am rima com -ão). A uniformização das terminações nasais dos nomes que em latim acabavam em -annu, -ane-, -one-, -udine-, no port. arcaico em -ão (dissílabo), o (monossílabo), e, -am, -õi, ie, -om, deu-se do século XIV em diante, acabando por ficarem todas em -ão. Também terminava em -om a terceira pessoa do plural do perfeito, do mais que perfeito e do futuro dos verbos. Mas a terminação -ão encontra-se já no port. arcaico, como em loução (louçano), são (sano), etc..
  • O ditongo eu era aberto em Deus, eu, meu, seu, teu etc., passando a pronunciar-se fechado do século XIV em diante. O o dos comparativos maior, mor, melhor, mẽor, peor (os únicos comparativos latinos do port. arcaico, como do port. moderno), dos adjectivos em -osa (fremosa, embargosa) e de muitas palavras em -or (arredor, derredor, suor) era fechado, mas passou a pronunciar-se aberto na mesma época.
  • ç, sibilante surda, distinguia-se do s, sibilante surda, como ainda sucede em alguns lugares da Beira e das raias minhota e transmontana, onde ç de paço (´paʃu) e nitidamente diferente de s de passo (´pasu).
  • O s intervocálico, fricativa sonora (coser: ku´ʒer, de connsuere, mesa: ´meʒa, de mensa), distinguia-se do z, também fricativa sonora (cozer: ku´zer, de cocere, azedo: ə'zedu, de acetu-).
  • O ch, explosiva surda, pronunciava-se tʃ, como ainda se ouve ao povo em algumas regiões do país (chave: tʃav, cacho: ´katʃu, mocho: ´motʃu, machado: mə'tʃadu) e não ʃ, como actualmente.


MORFOLOGIA

Nomes

Substantivos

  • Eram uniformes os substantivos em -dor, -tor, -or, como pastor, sabedor, senhor (uma ou outra vez ocorre senhora).
  • Ifante ou iffante era uniforme.
  • Os substantivos em -age ou -agem, de origem francesa, eram muitas vezes masculinos, como linguage, linhage; só do século XVI em diante se deu a mudança de género (personagem usa-se modernamente nos dois géneros).
  • Os substantivos terminados em -om ou -on faziam o feminino em a, a, como infançom, infançõa, infançôa, cochon, cochõa e cochôa, varon, varõa e varôa.
  • Muitos substantivos terminados em -z ou -s, como alferez, ourivez, simplez, cos, hoje invariáveis, tinham então plural (alferezes, ourivezes, simplezes ou simprezes, coses), como ainda sucedia no século XVI.

Adjectivos

  • Os adjectivos terminados no singular em -ês e -ol eram uniformes, como português (cortês e montês eram por vezes biformes), espanhol.
  • Os adjectivos terminados no singular em -um, hoje uniformes, eram biformes, como comum, comũa.
  • Os adjectivos terminados no singular em -el, como movel, razoavel, stavel, aparecem com o plural em -is: movis, razoavis, stavis.
  • O comparativo perifrástico formava-se com mais ou chusmeos ou menostam: mais ou chus molemeos paciẽtetam gloriosa.
  • O superlativo absoluto também se formava com gram: disse a gram alta voz.

Numerais

Cardinais
  • Ũnunũaua, unha; doisdous e dos; cinque e cincodezeseis, etc.; quaraenta quorenta; cinquaenta, sessaenta, sesseenta e sassenta, setaenta e satenta, oitaenta e oiteenta, novaenta e noveenta, cento, cem e cen.
Ordinais
  • Sestoseisto, sestimoseistimoseismo sesmoseitimonovẽo, dezimo, dizimopostumeiro, postreiro.
Fraccionários
  • Meidade, meadade, meo, a sesma.
Multiplicativos
  • Um tantodous tanto, quatro tanto, mil tantodous tamanho, dobrocẽ dobro, etc.

Pronomes

  • Ao lado dos pronomes pessoais ele, mim, migotigo, sigo e do reflexo se, ocorrem as formas el, mimego [l. mecum], tegosegoxe ou xi; o pronome complemento indirecto tem a forma lhilhis.
  • As formas mais antigas de teu e seu, provenientes estas da analogia com meu, são tou [l. tuus] e sou. O feminino de meu era mia (mha) e também ma; por vezes ocorre minha, que em próclise deu nha, que se escrevia enha, inha. Os femininos de teu e seu eram tua e sua, que em próclise deram ta e sa.
  • Além dos demonstrativos modernos, existiam também aquesto, aquesse, esto, esso, aquelo, elo [l. illum] e medês. O artigo definido aparece com as formas lo, la, o, a.
  • Cujo e quejando (mais arc. quejendo) eram pronomes interrogativos.
  • São formas dos pronomes indefinidos do português arcaico as seguintes, que não existem no português moderno: al e algorren, atal e atanto, nulho [l. nullus], quis (alguém), senhos, senlhos e sendos (cada um), já quantojá-quê (alguma cousa), que-quer (qualquer cousa), todo (tudo), camanho, quemquer ou quenxiquer (quem quer). Com significação idêntica à do advérbio pronominal francês en, o português arcaico tem o pronome en, ende. Existia também o pronome homem, omem e ome.

Verbos

  • Vários verbos que pertenciam à terceira conjugação latina (tema em u e tema em consoante) e que hoje pertencem à conjugação em -ir, terminavam em -er, como aduzercaer, confonder, finger. A 3.ª pessoa do singular do indicativo dos verbos pesar, poer, sair, soer tinha respectivamente as formas pês, pon, sal, sol. A terminação da 2.ª pessoa do plural dos verbos, excepto a do pretérito perfeito, que é a actual, era -des. Só nos princípios do século XV começou a perder o d (dizees [l. dicitis], fazees), mantendo-se apenas em alguns verbos de infinito monossilábico, para evitar confusão com a 2.ª pessoa do singular, e nos casos em que está precedido de vogal nasal (tendes, vindes). Os verbos da 2.ª conjugação tinham o particípio em -udo: avudo, conhoçudo (conhocer), deteudo, perdudo, recebudo, temudo. Destas formas há ainda vestígios em conteúdo, manteúdo, teúdo e no nome próprio Temudo.
  • Note-se o emprego do pretérito anterior, sobretudo em orações temporais, para se indicar que em certa altura do passado a acção estava consumada: «Pois que Lançarot ouue feito quanto a caualeyro conujnha, disse» etc., pág. 506 (Demanda do Graal).

Advérbios

  • Entre os advérbios arcaicos, indicaremos: adur (apenas, difìcilmente), agĩa, aginha (azinha, sem demora), alhur (alhures, algures), antano (o ano passado), aquende (aquém), atam (tão), chus (mais, do l. plus, cf. o fr. plus), de chã e de gran (certamente, na verdade), desi (depois), du (onde, donde), eire ou eiri (ontem, cf. o fr. hier [l. heri]), em, en, ende (dai, daqui, cf. o fr. en), endõado (de graça, debalde, sem razão), entonce e estonce (então), meos (menos), nego (senão), ogano  [l. hoc anno] (este ano), oi e oie [l. hodie] (hoje), oimais (doravante), toste (logo, depressa), u (onde).
  • Os prefixos separáveis ar ou er e per reforçam a significação do verbo a que se antepõem, ou, para os dois primeiros, têm o sentido de também.

Preposições

  • São preposições arcaicas: antre (entre), ata, atee, ateem, ates (até), depos (depois), des (desde), encas ou en cas de (equivalente ao fr. chez), ergo (excepto, afora), ontre (entre), pera (para), so (sob), tras [l. trans] (além de).

Conjunções

  • São conjunções arcaicas: ca (comparativa, causal e integrante), ergo ([l.] portanto), macar (embora), mais (mas), mais pero, mas pero, empero, pero (mas, porém, embora), mentre e mentres (enquanto, entretanto), vel ([l.] ou).


SINTAXE

  • O pronome lhi ou lhe usava-se, ao mesmo tempo que lhis e lhes, para o caso em que hoje só empregamos esta última forma: Vos lhi tolhestes os ramos en que sijam, / e lhis secastes as fontes en que bevĩa (Nuno Fernandes Torneol).
  • Como sucede em francês com o pronome on, em português arcaico homem, omem e ome serviam de sujeito indeterminado: «de que nunca oysse homem falar», «par nunca lh'ome pod'achar»; e cf. o provérbio «anda homem a trote para ganhar capote».
  • Era normal o emprego do partitivo do, da, dos, das e de: «depois filhem a calda coada e deytem-lhe do mell e do sall e do azeite», Livro de Alveitaria, de Mestre Giraldo; «as mãaos tomarom de pam para dal-lo aa boca», Livro de Esopo; «e da-lhe da solda cada dia»; «lança-lhe da solda por syma d'aquelle sangue», Livro de Falcoaria; «e el pedio-lhe d'agoa, pela aravia», Lenda de Gaia; «comeria de boa mente de hum pee de porco», Cr. da Ordem dos Frades Menores.
  • O adjectivo possessivo geralmente não era precedido de artigo [cf. port. dop Brasil]: «ouuiu sa senhor»; «filhou rey Ramiro sa molher com sas donzellas», Lenda de Gaia.
  • Nos tempos compostos com ter e haver, o particípio passado dos verbos transitivos concordava muitas vezes com o complemento directo, quer este o precedesse ou não: «tẽção que começada tinhão»; «maldade que aqueles mortos avião feita»; «depois que os el-rey teve uencidos»; «tenho vystos e ouuidos muitos enxempros»; «todos avyam feita esta promessa»; «aviã vencidas as batalhas e conquistas e comarcas».
  • Em orações afirmativas, usava-se por vezes o conjuntivo em vez do imperativo: «Digades, filha, mha filha uelida, / por que tardastes na fontana fria», Pero Meogo; «lembre-te que sam molheres», Jorge de Aguiar.
  • Empregava-se o gerúndio em expressões como: sem saindo (sem sair), non cessam chorando (não cessam de chorar).
  • Quando na frase uma palavra de sentido negativo precedia o verbo, não se omitia a negativa: «nenhũu non veio». Nas frases hoje construídas com nem... nem (conj. copulativa), omitia-se a primeira: «Poys minha triste vẽtura, / nẽ meu mal nã faz mudança», D. João de Meneses.
  • Havia grande liberdade na ordenação das palavras na frase a), não são raros o anacoluto b) e a sínese c), e são frequentes os longos períodos com elementos ligados pela copulativa e, d).
    • a) «e as palavras dictas»; «e dictas as palavras»; «aquelles que enganar podem»; «persoas que useyras podem»; «merçee que lhe Deus faz»; «com grande minha perda», Livro de Esopo, apud Leite de Vasconcelos; «E o que me a esto moveo forom sete cousas», Livro de Linhagens; «Os mais dos dias bem cedo era levantado, e, missas ouvidas, era na Rollaçom ataa meo dia, ou acerca, e viinha come», Leal Conselheiro.
    • b) «Ca ssem rrazom pareçe que aquel que he atormentaado dar-lhi homem outro tormento», Lei de 1211; «devemos catar se este que apelou, se he demandador se demandado», Leis e posturas de D. Afonso III; «Disse Moyses, e disse a verdade, que no primeiro começo, que Deus criara os ceeos, e a terra, e todallas outras criaturas, que criara o homem, e, quando o criou que disse:», etc., Livro da Montaria.
    • c) «toda gente te lança de sy, com nojo que de ti ham»; «a enjuria e vergonça nom he d'aquell que a rreçebe», Livro de Esopo; «a prudencia e discreçom quer obrar acabadamente», Leal Conselheiro.
    • d) «E tomando hum coitello saio fora e indo por os campos achou multidom de porcos que paçiam em hum campo e correeo em pos elles e tomou huum d'elles e com o coitello que levava cortou-lhe hum pee e leixou aly o porco deçepado», Cron. da Ordem dos Frades Menores; «Per algus logares do senhorio de Portugal foi, que lhe disserom que havia hi mulheres de buem logo que nõ haviam onde o vestir houuessẽ, que veria a fazer do seu dano, e mandaua esta rainha filhar peças de panos e mandaua chamar alguma boa dona d'aquela uilla de que ella fiaua, e mandaua a ella que partisse aquelles panos por aquellas moças a que visse que compria; e esto fazia ella escondidamente, segundo sabem alguns e alguas de sa casa», Relação da Vida da Gloriosa Santa Isabel (²).
(¹) E. Bourciez, Éléments de Linguistique Romane, § 334, 4.ª ed., Paris, 1946.
(²) Para a elaboração destas noções sumárias sobre a gramática do português arcaico, servimo-nos de: J. J. Nunes, Crestomatia Arcaica, Lisboa, 1953, e Compêndio de Gramática Histórica Portuguesa, Lisboa, 1919; Leite de Vasconcelos, Lições de Filologia Portuguesa, Lisboa, 1911, e Textos Arcaicos, Lisboa, 1922; D. Carolina Michaëlis de Vasconcelos, Glossário do Cancioneiro da Ajuda, nos vols. XXIII e XXIV da Revista Lusitana, Lisboa, 1920 e 1922; Joseph Huber, AltportugiesischesElementarbuch, Heidelberga, 1933; D. Maria da Piedade C. Mariz de Pádua, A Ordem das Palavras no Português Arcaico, Coimbra, 1960; Epifânio Dias, Syntaxe Historica Portuguesa, Lisboa, 1953. »

Retiradas das páginas 1 a 8 e 777 da 2.ª ed., de 1967, pela Coimbra Editora, Limitada, dos Textos Medievais Portugueses, seleccionados e anotados por Corrêa de Oliveira e Saavedra Machado com o fim de servirem para o estudo da literatura portuguesa medieval no 3.º ciclo dos Liceus, nos termos do respectivo programa outorgado pelo Ministério da Educação Nacional de então, e compostos e impressos nas Oficinas Gráficas da Livraria Cruz, em Braga. Pode ler-se numa nota preliminar dos autores que, «na verdade, modernamente, não se concebe o estudo da literatura de um povo sem se considerar como síntese da vida mental da nação, isto é, relacionado com o conhecimento da cultura coeva ambiental. Como expressão e representação, a literatura reflecte sempre a vivência da língua e da cultura em todas as suas manifestações, nos anseios individuais e gregários que se desentranham da vida colectiva de um povo e de uma época.»

Aqui transcriptas para curiosidade dos leitores, e para melhor entendimento dos textos já publicados ou de futuros.

São Nun'Álvares Pereira de Santa Maria, rogai por nós.

6 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Aproveite os últimos dias da Inspiração – visite nossas lojas e faça suas compras.
    Tenha uma excelente noite!
    Bjks...
    Anisia



    https://loja.inspiracao.com.br/nova/kits.asp?origem=pontoNet&coddist=268104



    https://loja.inspiracao.com.br/nova/index.asp?origem=novaInspiracao&coddistp=268096



    https://plus.google.com/u/0/b/100044839638912698301/communities/101126118946310900687

    http://www.facebook.com/pages/Inspira%C3%A7%C3%A3o/215366391942400?ref=hl



    http://estilososeestilosascominspiracao.blogspot.com.br/




    https://loja.inspiracao.com.br/nova/index.asp?origem=novaInspiracao&coddistp=268096


    https://plus.google.com/u/0/b/100044839638912698301/communities/101126118946310900687


    Visite os blogs e sinta-se a vontade para seguí-los


    http://nascimentosampaio.blogspot.com.br/

    http://xadrezparatodosetodas.blogspot.com.br/

    http://telexfree-asnemss.blogspot.com.br/


    http://anisianascimento-gospel.blogspot.com/




    http://nascimento-educacao.blogspot.com/




    http://anisia-nascimento.blogspot.com/




    http://divulcacaoepublicacao.blogspot.com.br/




    http://meioambiente-ecidadania.blogspot.com/




    http://vote44002.blogspot.com.br/




    http://culturaeliteratura-anisianascimento.blogspot.com.br/




    http://eusoutelelexfree.blogspot.com.br




    http://nascimentosampaio.blogspot.com.br/


    http://estilososeestilosascominspiracao.blogspot.com.br/




    http://xadrezparatodosetodas.blogspot.com.br/




    http://cienciasjuridicas-anisianascimento.blogspot.com.br/




    http://cienciasjuridicas-anisia-nascimento.blogspot.com.br/




    http://nascimentoconcurso-publico.blogspot.com/




    http://meusestudos-anisianascimento.blogspot.com.br/




    http://centropopdia.blogspot.com.br/




    http://quantascoisas-anisianascimento.blogspot.com.br/




    http://culturaeliteratura-anisianascimento.blogspot.com.br/




    http://nascimento-educacao.blogspot.com/




    http://anisia-nascimento.blogspot.com/




    http://anisia-novo-degase.blogspot.com/




    http://anisianascimento-libras.blogspot.com/




    http://nascimentosampaio.blogspot.com.br/




    http://cienciasjuridicas-anisianascimento.blogspot.com.br/




    http://nascimentoconcurso-publico.blogspot.com/




    http://anisianascimento-gospel.blogspot.com/




    http://nascimento-educacao.blogspot.com/




    http://anisia-nascimento.blogspot.com/




    http://divulcacaoepublicacao.blogspot.com.br/




    http://meioambiente-ecidadania.blogspot.com/




    http://vote44002.blogspot.com.br/




    http://culturaeliteratura-anisianascimento.blogspot.com.br/




    http://vidaesaude-nascimento.blogspot.com/




    http://anisia-maravilhosanatureza.blogspot.com/




    http://anisianascimento-libras.blogspot.com/




    http://teoriadaliteratura-anisianascimento.blogspot.com.br/




    http://aahjlmpedagogia-hospitalar.blogspot.com.br/




    http://concurso-senadofederal.blogspot.com/




    http://mperj-2011.blogspot.com/




    http://anisia-novo-degase.blogspot.com/




    http://cienciasjuridicas-anisianascimento.blogspot.com.br/




    http://cienciasjuridicas-anisia-nascimento.blogspot.com.br/




    http://linguaportuguesa-anisianascimento.blogspot.com.br/






    http://meusestudos-anisianascimento.blogspot.com.br/




    http://mperj-2011.blogspot.com/



    http://ecletico-anisianascimento.blogspot.com.br/



    https://loja.inspiracao.com.br/nova/index.asp?origem=novaInspiracao&coddistp=268096

    https://plus.google.com/u/0/b/100044839638912698301/communities/101126118946310900687

    http://www.facebook.com/pages/Inspira%C3%A7%C3%A3o/215366391942400?ref=hl


    http://eusoutelelexfree.blogspot.com.br


    http://educacaoinfantil-anisianascimento.blogspot.com.br

    http://estilososeestilosascominspiracao.blogspot.com.br/


    http://inspiresuavida-anisianascimento.blogspot.com.br/



    http://saudeebelezacominspiracao.blogspot.com.br/



    http://inspirandosuarotina-fernandoferreira.blogspot.com.br/



    http://sadrinhadainspiracao.blogspot.com.br



    http://inspiracaoirmaanete.blogspot.com.br


    http://nascimento-educacao.blogspot.com/

    http://xadrezparatodosetodas.blogspot.com.br


    http://teoriadaliteratura-anisianascimento.blogspot.com.br

    ResponderExcluir